O Brasil é o terceiro principal produtor e o quarto maior exportador de carne suína do mundo. Em território nacional cada brasileiro consumiu, em média, 15,3 kg de carne de porco no ano passado e o setor ainda é responsável por mais de 1,1 milhão de empregos, com valor bruto da produção na faixa dos R$ 13 milhões. 

Devido à crescente importância no segmento agropecuário, aumenta também a responsabilidade do produtor com a promoção de condições justas de criação e a adesão de normas técnicas para o bem-estar de suínos, dos próprios criadores desses animais, dos consumidores e também no cuidado com o meio ambiente.

Pensando em difundir o conhecimento sobre a cadeia de produção e a suinocultura, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e o Instituto Interamericano de Cooperação para Agricultura (IICA) convidaram 65 especialistas para discutirem os desafios e as melhores práticas para garantir o bem-estar de suínos de produção. A proposta gerou um livro intitulado “Suinocultura: uma saúde e um bem-estar”, com 500 páginas e 24 capítulos.

Acesse o livro aqui (disponível em português)

 

Membro do Comitê Científico participa do livro sobre bem-estar de suínos

Dentre os pesquisadores voluntários do trabalho está a membro do Comitê Científico da Certified Humane, Rosangela Poletto, professora do Instituto Federal do Rio Grande do Sul, que desenvolveu o artigo do capítulo 19 da obra, especificamente sobre “Ractopamina e seu efeito sobre o bem-estar de suínos”. 

Rosangela é Médica Veterinária e Mestre em Ciências Agrárias (Michigan State University-USA); PhD pela Purdue University (Indiana, USA) na área de Comportamento e Bem-estar Animal e pós-doutora em Etologia Animal Aplicada (UFSC –LETA). 

Além dela, outros profissionais de referência em suinocultura nacional e internacional ajudaram a escrever o livro, dentre eles: 

  • Mateus José Rodrigues Paranhos da Costa, pós-doutorado em Bem-estar Animal pela Universidade de Cambridge; 
  • Antoni Dalmau Bueno, pós-doutorado em Produção Animal pela Universidade Autônoma de Barcelona (UAB); 
  • Maria José Hotzel, doutora em Ciência Animal pela Universidade de Western Australia (UWA); 
  • Daniel Cruz, coordenador de Bem-estar Animal da World Animal Protection; 
  • Saskia Bloemhof, doutora em Genética e Melhoramento Animal da Universidade de Wageningen.

 

Debate de ações e tendências 

Os temas abordados no material são variados e completos, abordando desde o bem-estar animal e suas implicações na produção de suínos até o cenário internacional na aplicação de boas práticas em suinocultura. 

Também são destaque às exigências legais de proteção ao bem-estar animal e sua aplicação à suinocultura, as interações humano-animais no setor, a visão do consumidor sobre o bem-estar animal, a sustentabilidade na produção de suínos, além da influência genética sobre a saúde dos animais de produção, os treinamentos indicados aos colaboradores da suinocultura, e reflexões sobre biosseguridade.

Sabe-se por meio de diversas pesquisas e estudos que os animais criados nas melhores práticas de bem-estar animal têm suas necessidades comportamentais, ambientais e fisiológicas atendidas. 

Com isso, eles são menos propensos a ter estresse e outras enfermidades, precisando de menos uso de antimicrobianos. Por consequência, há um crescimento substancial na segurança e qualidade dos alimentos e retorno produtivo ao suinocultor, as pessoas e ao meio ambiente.

 

Pratique uma suinocultura moderna e sustentável com o manejo correto dos animais

O manejo humanizado dos suínos deve levar em consideração uma série de normas, como as normas previstas no programa de certificação de bem-estar animal da Certified Humane. Veja algumas dicas de como cuidar de suínos de forma digna:

  • Mantenha os suínos em grupos, em baias, com o mínimo de reagrupamento possível, para evitar confronto entre os animais;
  • Forneça quantidade apropriada de comedouros e bebedouros;
  • Utilize palha ou outros substratos adequados para que os suínos expressem seu comportamento natural. Outras ferramentas que minimizem a ocorrência de comportamentos anormais também são bem-vindas;
  • Viabilize uma área de repouso de construção sólida (não vazada) para promover o conforto dos animais;
  • Ofereça alimentação balanceada de acordo com cada fase da vida do animal, respeitando suas necessidades nutricionais, reduzindo as chances de que eles apresentem desnutrição ou problemas de saúde;
  • Controle a temperatura ambiente e, nos dias de calor, tenha opções disponíveis como piscinas de lama nos piquetes, sombra natural ou artificial, refrigeração evaporativa, gotejadores, aspersores ou ventiladores.

Para conferir mais dicas de manejo humanizado, acesse aqui. Aproveite também e leia o conteúdo completo do livro “Suinocultura: uma saúde, um bem-estar” (disponível em português). Boa leitura!

Faça seu comentário