Penso em certificar, mas tenho dúvidas

O primeiro passo é conhecer, entender e aplicar na sua fazenda ou granja o referencial de bem-estar do animal de produção que você cria. Você encontra todos os referenciais aqui. Se tiver alguma dúvida na interpretação das exigências, entre em contato conosco por email e, se necessário, faremos o contato via telefone para esclarecer suas dúvidas no menor tempo possível. 

Depois de adotar todos os requisitos detalhados no respectivo referencial de bem-estar animal, entre em contato conosco para que possamos lhe enviar os formulários de solicitação que se aplicam à sua operação. Com os formulários preenchidos corretamente, elaboramos um orçamento para a realização da sua inspeção anual. Ao assinar este orçamento, você confirma o início formal do processo de certificação. A partir disso, definimos uma data para a auditoria presencial da sua operação por um profissional da nossa equipe técnica.

Durante a auditoria nosso inspetor irá validar as informações detalhadas nos formulários de solicitação, assim como irá verificar toda a sua estrutura, os animais e a gestão do negócio visando confirmar que todos os requisitos do respectivo referencial de bem-estar animal estão sendo cumpridos. 

Ao final da auditoria o inspetor preenche a ata de inspeção listando as não conformidades (NCs) identificadas. Este documento é assinado pelo produtor e pelo auditor. Após alguns dias, você recebe da nossa equipe uma notificação com o resultado da inspeção, acompanhada de um relatório descritivo, onde serão apresentadas as NCs definitivas.

Normalmente são as mesmas presentes na ata de inspeção, podendo haver pequenas modificações. Você recebe também um relatório onde deverá descrever todas as ações corretivas ou planos de ação propostos para resolver as NCs dentro do prazo estabelecido, geralmente 30 dias. 

Dependendo da quantidade de NCs identificadas ou da sua gravidade, pode ser possível que uma nova auditoria seja marcada. Caso contrário, você deve enviar as informações solicitadas no prazo determinado e, se forem consideradas suficientes para resolver as NCs, você recebe um Certificado de Conformidade válido por 12 meses. 

Durante este período você pode fazer referência à certificação de bem-estar animal e utilizar o selo Certified Humane® nos seus produtos certificados, após a devida aprovação das embalagens pela nossa equipe.

O processo se repete anualmente, sendo as inspeções realizadas no mínimo a cada 12 meses, para monitorar a operação e garantir que as exigências do programa estão sendo cumpridas. É possível que auditorias sem aviso prévio aconteçam para monitoramento da situação. 

Em paralelo, sempre que houver modificações no seu projeto que possam impactar o manejo dos animais, devemos ser informados para avaliação do impacto e se uma nova inspeção será necessária, bem como uma nova atualização documental ou mesmo uma troca de ideias para o devido monitoramento da situação pela nossa equipe técnica.

No Manual de Diretrizes do programa Certified Humane® você encontra todos os detalhes sobre o processo. Lá você encontra todas as informações sobre os diferentes tipos de certificação: individual, grupos de produtores, restaurantes, operações sem criações animais que usam ingredientes certificados, entre outros.

Para iniciar o processo a operação de produção já deve estar cumprindo as exigências do programa. Sendo assim, o tempo do processo dependerá mais do tempo que o solicitante levar para enviar os formulários de solicitação completos e corretamente preenchidos. Também dependerá do tempo que a operação que solicita a certificação levar para reportar as ações corretivas ou planos de ação para resolução de não conformidades (NCs) depois de receber a notificação com o resultado da sua inspeção.

De qualquer forma, consideramos uma média entre 1 a 3 meses para que todo o processo ocorra, incluindo a fase de avaliação documental (formulários de solicitação), planejamento e realização da auditoria, preparação da notificação e relatório de inspeção, definição e organização das ações corretivas e planos de ação para resolver as NCs, análise das evidências de resolução apresentadas e emissão do certificado de conformidade.

Após a conquista do certificado, iniciamos o processo de renovação sempre três meses antes de completados 12 meses da última inspeção. Assim podemos emitir o novo certificado assim que vencer o certificado anterior, desde que a nova inspeção tenha ocorrido no prazo e que todas as eventuais não conformidades tenham sido resolvidas.

O processo de certificação ocorre em ciclos anuais. Portanto, haverá custos associados à preparação documental e a inspeção a cada 12 meses, bem como à logística do inspetor que deve se deslocar até o local para realizar a auditoria. Além disso, parte destes custos envolvem os volumes de produção. Os detalhes das nossas tarifas estão disponíveis aqui

Para formalizar o início do processo de certificação, o cliente deverá assinar o orçamento enviado após o preenchimento dos formulários de solicitação. Neste orçamento estarão detalhadas duas tarifas: a de solicitação e a de inspeção. 

A de solicitação é fixa, associada à revisão documental realizada sempre antes da inspeção. A de inspeção será calculada com base nos tempos estimados para a realização das atividades de inspeção. Temos duas tarifas de inspeção: uma associada à verificação dos animais e fábricas de ração, quando for o caso, e outra associada à auditoria de entrepostos, abatedouros ou plantas de processamento. 

No documento que detalha nossas tarifas você tem acesso aos valores por dia (1 dia = 8 horas de trabalho do inspetor). Com os formulários de solicitação preenchidos, nossa equipe estima o número de diárias de inspeção e multiplica pelas referidas tarifas.

Finalmente, quando o produtor conquista a sua certificação, passamos a monitorar trimestralmente os volumes de produção para calcular a tarifa de certificação. Esta tarifa é calculada por volume de produção, com diferentes critérios dependendo da espécie. 

Para projetos de certificação de galinhas poedeiras existe um valor por caixa de 360 ovos produzida. Em um projeto de gado leiteiro é contabilizado um valor para cada 1000 litros de leite produzidos. Já para projetos de frangos de corte, o valor é definido pelo número de frangos abatidos, e assim por diante. Os detalhes se encontram no documento descritivo das tarifas

Esclarecemos que a frequência de pagamento da tarifa de certificação é definida pelo cliente, podendo ser trimestral, semestral ou anual, sempre com base nos volumes reais reportados. Esta tarifa se aplica apenas a projetos com animais. Para a certificação de indústrias de alimentos que adquirem ingredientes certificados de outros produtores ou empresas, não há a cobrança de tarifas de certificação, apenas de solicitação e inspeção.

Se você quer ter uma ideia do custo da certificação do seu projeto, entre em contato explicando em poucas palavras como é a sua operação (número de animais, número de unidades de processamento, etc). A partir do esclarecimento básico do que se trata, faremos um contato com perguntas específicas que nos permitirão estimar os custos da sua certificação.

Para um primeiro contato, você deve escrever para info@certifiedhumanebrasil.org. Não se preocupe, nós respondemos a todas as solicitações de forma rápida. Na mensagem detalhe as dúvidas, mas antes verifique se já não estão respondidas nesta seção de perguntas mais frequentes.

A inspeção anual é o momento mais importante do processo. Nela o auditor, especialista em bem-estar animal, visitará todos os locais onde estão sendo criados os animais para verificar se todos os requisitos do respectivo referencial estão mesmo sendo cumpridos. 

Além desta checagem completa em todos os galpões, currais, abatedouros, áreas de circulação, descanso, enfim, todos os locais por onde passam os animais durante a sua vida, existe uma completa checagem de registros. Para que uma fazenda ou granja possa se candidatar à certificação, a manutenção correta e completa de diversos registros é fundamental para o monitoramento do desempenho dos indicadores que sinalizam o bom manejo. 

Níveis de mortalidade, temperatura diária máxima e mínima, níveis de amônia, registros de capacitações de colaboradores, procedimentos de saúde, entre outros, são checados durante a auditoria. Os formulários de solicitação preenchidos são também validados durante a inspeção. 

Para ter mais informações sobre o que esperar durante a inspeção em qualquer tipo de operação, veja maiores detalhes na Parte 3 do Manual de Diretrizes.

Os registros específicos relativos à operação que devem ser mantidos para nossa verificação estão listados nos nossos referenciais de bem-estar animal. Estes incluem:

  • Diagrama das suas instalações (caso não tenha sido enviada juntamente com o formulário de solicitação), que deve incluir os seguintes itens, dependendo da operação:
    • Dimensões dos celeiros, galpões, piquetes e pastagens;
    • Tamanho e tipo de comedouros e bebedouros;
    • Tipo de sistemas de ventilação;
    • Parâmetros de qualidade do ar (qualidade desejada) para alojamentos;
    • Parâmetros de temperatura para alojamentos;
    • Níveis de iluminação e programa de iluminação no caso de iluminação artificial;
    • Tamanho da área de cama;
    • Tamanho, tipo e quantidade de ninhos e poleiros para operações de galinhas poedeiras.
  • Registros de ingredientes de ração e respectivos fornecedores para todo alimento e suplemento dado aos animais durante o último ano, incluindo rótulos de rações adotadas;
  • Registros de consumo de ração e de água;
  • Registros de nível de amônia quando os animais são alojados internamente;
  • Registros de temperaturas diárias máxima e mínima no alojamento dos animais;
  • Registros de entradas e saídas de animais da operação, faturas de compras de animais e densidades de animais nos alojamentos;
  • Registros sanitários dos animais (vermifugação, vacinação e procedimentos de alteração física, tais como amochamento, aparo de bicos ou castração);
  • Os seguintes registros não fazem parte do seu formulário de solicitação, mas o inspetor precisará revisar: 
    • Tratamento médico a animais doentes (razões, droga utilizada, datas do tratamento e validade dos medicamentos);
    • Mortalidade;
    • Animais sacrificados (separadamente da mortalidade, com os motivos).
  • Registros de manutenção de equipamentos automáticos vitais e de verificações rotineiras de manutenção preventiva;
  • Registros de treinamento e experiência dos responsáveis pelo tratamento com os animais;
  • Políticas de biosseguridade, protocolos de limpeza e desinfecção;
  • Para projetos de grupos de produtores: registros do trabalho do Sistema de Controle Interno (SCI): Relatório Anual do SCI, checklist/relatório/ata/formulário de ações corretivas relativos à visita anual (inspeção interna) de cada produtor do grupo, termo de compromisso para novos membros, entre outros;
  • Registro de reclamações (a ser usado caso você receba qualquer reclamação por sua operação não cumprir as exigências do programa Certified Humane® e ações corretivas adotadas);
  • Contatos de emergência;
  • Para aves com acesso às áreas externas: tempo passado nas áreas externas e plano de gestão das mesmas (incluindo plano de rotação de áreas, se for o caso).

Sim, todos os produtores de alimentos que utilizam ingredientes certificados, como por exemplo, ovos, leite, carne, podem obter a certificação pelo programa Certified Humane® e utilizar o respectivo selo de certificação nas embalagens dos produtos. Alguns exemplos de alimentos por nós certificados: massas com ovos, pratos congelados à base de frango, pizza, laticínios, embutidos a base de carne de porco, comida para animais de estimação, cookies, etc. 

Restaurantes que utilizam ingredientes certificados pelo programa Certified Humane® também podem se certificar e inserir o logo da certificadora no menu. Até mesmo produtos não alimentares elaborados à base de ingredientes certificados com o selo Certified Humane® podem ser certificados, como por exemplo roupas de lã de ovelha ou cosméticos à base de leite de cabra. 

Para isso, as empresas devem se submeter às inspeções anuais de rastreabilidade, que vão verificar se os controles de segregação são eficazes, desde o recebimento das matérias-primas até a expedição dos produtos terminados e embalados com o selo de certificação. Deverão também assinar um contrato de licença de marca com a Humane Farm Animal Care para ter direito ao uso da marca de certificação, sempre sujeito à aprovação prévia pela nossa equipe.

Ao comprar os ingredientes certificados, as empresas devem pedir a comprovação do seu fornecedor de que os produtos são mesmo certificados segundo o programa Certified Humane. Na nota fiscal de compra o item certificado deve estar especificado como tal, para permitir a clara segregação do mesmo com relação a ingredientes não certificados.

Publicamos no nosso blog um artigo sobre este assunto que está bastante completo. Clique aqui para entender como são estas inspeções.

Sim. A possibilidade de certificação não tem nenhuma relação com o tamanho da propriedade, o volume de produção ou o nível de tecnologia aplicado no manejo. Basta que a propriedade adote os critérios definidos na norma de bem-estar do animal que cria.

O que é necessário avaliar é se vale a pena buscar a certificação, pois esta iniciativa tem o seu custo, que normalmente é bastante baixo, mas que para propriedades muito pequenas pode ser relevante. Se você não vende o seu produto no mercado ou se não consegue agregar valor a partir do uso do selo de certificação, talvez, não seja lucrativo conquistar a certificação. 

Se você quer simplesmente dar aos seus animais as melhores condições de vida e tratá-los com todo o respeito que merecem, você pode adotar todos os requisitos de bem-estar animal presentes nas nossas normas, sem buscar especialmente a certificação. Neste caso, você não tem autorização para usar a nossa marca de certificação, nem fazer referências ao nosso programa em embalagens ou materiais gráficos/internet, já que isso depende de um contrato assinado conosco e de inspeções anuais na propriedade.

De qualquer forma, nunca deixe de solicitar uma estimativa de custos para a certificação do seu projeto para que você não deixe de considerar a certificação por uma impressão errada de que custa caro. Você pode se surpreender.

A marca de certificação Certified Humane® e seu respectivo logo são marcas registradas, portanto, somente podem ser usados com a autorização da Humane Farm Animal Care (HFAC). O direito do uso da marca é apenas dos clientes certificados, durante o período de validade do certificado de conformidade, associado ao produto certificado e somente se foi assinado um contrato de licença de marca. 

O cliente certificado deve solicitar a autorização do seu uso, enviando formalmente ao nosso escritório a arte da embalagem ou publicidade onde pretende utilizar a marca de certificação. Para a autorização, será avaliado se o logotipo está sendo usado corretamente e se passa a mensagem correta. 

Não é permitido, por exemplo, a impressão de uma embalagem de ovos com a foto de uma galinha em um piquete (área externa) quando o sistema de criação for cage free (sem acesso ao exterior). 

Caso você não seja cliente da HFAC, não tem autorização para utilizar a marca. Esta proibição inclui também restaurantes ou empresas alimentícias que utilizem ingredientes certificados. Consideramos essa eventual utilização da nossa marca como indevida, pois ao não controlarmos a rastreabilidade dos ingredientes, não é possível confirmar se os mesmos são realmente certificados. Nesta página você encontra mais detalhes sobre quem pode utilizar a marca de certificação Certified Humane®.

Infelizmente, não. A certificação orgânica pode ser oferecida apenas por certificadoras credenciadas pelos respectivos governos, uma vez que esta certificação está regulada por leis nacionais. O nosso programa de certificação se limita aos referenciais de bem-estar animal da Humane Farm Animal Care, disponíveis aqui.

Infelizmente, não temos este tipo de informação. Podemos lhe auxiliar no entendimento das nossas normas de bem-estar animal, disponíveis aqui.

Ainda não temos normas de bem-estar para o manejo de codornas, portanto não é possível certificar esta espécie pelo programa Certified Humane®.

Não. O selo Certified Humane é sempre o mesmo, e indica que os ovos foram produzidos por uma granja que adota as exigências do referencial HFAC para a criação de galinhas poedeiras com bem-estar, não importa o sistema. Nosso programa de certificação avalia e certifica as exigências de bem-estar, que englobam todas as dimensões associadas à criação sustentável dos animais – alimentação e água, ambiente, saúde, gestão. Nossa proposta não é certificar o sistema em si – cage free ou free range, pois ambos devem cumprir os critérios mínimos para que se considere a criação como respeitosa às aves.

Além disso, a existência de uma outra marca para indicar sistemas diferentes implicaria em uma complexa e cara gestão de marcas registradas em diversos países do mundo, que não devem ser o foco da nossa organização.

Sem entrar na discussão (válida) de se um sistema é melhor do que o outro, consideramos que o papel de explicar as diferenças ou semelhanças entre os sistemas cage free ou free range é responsabilidade do produtor, dono da marca. Através de uma embalagem que indique as características da criação, e de material educativo que pode ser disponibilizado em pontos de venda ou redes sociais, o produtor tem a responsabilidade de educar o seu consumidor, explicando as diferentes opções existentes. Fazemos isso constantemente com nossas normas, promovendo o manejo dos animais com critérios baseados na ciência do bem-estar animal. O esforço em educar o mercado e o consumidor deve ser permanente e incansável, pois sempre haverá questionamentos sobre a origem e a forma de produção dos alimentos.

Nós certificamos o programa Certified Humane® com a opção de incluir as normas técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para ovos ou frango caipira. Se você deseja certificar para a modalidade caipira, é necessário indicar nos formulários de solicitação. 

Nos referenciais disponíveis gratuitamente aqui estão os critérios adicionais exigidos pelas referidas normas da ABNT, indicados nas normas de Frangos e Galinhas Poedeiras, como opcionais. Nós não certificamos frangos ou ovos apenas na modalidade caipira sem o selo Certified Humane. Caso você tenha interesse nesta certificação, deve cumprir com os requisitos gerais do programa Certified Humane, e também com as exigências da norma técnica da ABNT.

Sou consumidor e me interesso pelo bem-estar animal

Temos um aplicativo para celular chamado “Certified Humane”, que tem a mesma função da página ‘Onde encontrar’, onde você pode colocar o nome da sua cidade e verá no mapa os locais próximos a você que comercializam produtos com selo Certified Humane®. Tentamos manter esta base sempre atualizada, mas ela não é perfeita. 

Às vezes, os produtos certificados são vendidos a distribuidores, que então vendem a outros pontos de venda, portanto é provável que você encontre produtos certificados em locais não listados no aplicativo também.

Aqui neste link você pode ver fotos de alguns dos produtos certificados.

Por fim, se você gostaria que algum produto de origem animal que você consome seja certificado com o selo Certified Humane®, comunique-se com o SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) da empresa sugerindo a sua certificação. Sempre que recebemos contatos de empresas interessadas respondemos prontamente, dando todas as informações necessárias para que o produtor de alimentos entenda claramente o que deve fazer para conquistar o nosso selo.

Ovos orgânicos são aqueles produzidos de acordo com a Lei 10.831/03, a lei brasileira de orgânicos. As normas estão presentes na Instrução Normativa que explica os detalhes da produção animal orgânica, disponíveis no site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Para que um ovo seja realmente orgânico, procure pelo Selo do SIsOrg – o selo oficial de produto orgânico no Brasil, cujo uso é autorizado apenas para produtos certificados como orgânicos.

Ovos caipira são aqueles produzidos de acordo com a norma técnica da ABNT 16437:2016, que detalha as exigências sanitárias para que um ovo possa ser chamado de ovo caipira. Neste sistema, as galinhas devem obrigatoriamente ter acesso diário a uma área externa, sempre que o tempo permitir, e a densidade dentro do galpão não pode ser maior do que 7 galinhas por m². 

É importante observar que não existem especificações nesta norma técnica quanto a ninhos, poleiros ou outros recursos associados exclusivamente à criação com bem-estar animal, como é o caso dos ovos certificados pelo programa Certified Humane®. 

Além do mais, não existe uma lei que obriga os ovos caipira a serem certificados como ocorre com os ovos orgânicos. Por isso, sempre busque pela referência à norma técnica da ABNT no rótulo do produto, sendo esta uma exigência da norma. Busque conhecer também qual certificadora realiza este trabalho. As normas técnicas da ABNT podem ser adquiridas no site oficial www.abnt.org.br.

Free range é uma expressão em inglês que significa que as aves têm acesso a uma área externa da mesma forma que os ovos caipira. Porém, não podemos dizer que free range e caipira são a mesma coisa, uma vez que os ovos caipira no Brasil devem seguir o que determina a norma técnica da ABNT, enquanto ovos free range não tem uma regra única. Cada certificadora determinará as suas exigências.

Cage free também é uma expressão em inglês que significa “livre de gaiolas”. Não existe uma legislação específica que explica o que é uma galinha livre de gaiolas, mas indica as criações nas quais as aves permanecem dentro de galpões, sem acesso à uma área externa (diferente dos sistemas caipira ou free range). Porém, os animais têm os recursos necessários para a expressão do seu comportamento natural nos galpões, como os ninhos ou os poleiros. Cada entidade certificadora, como a Humane Farm Animal Care, terá o seu entendimento do que é necessário para que os ovos sejam considerados cage free.

Os artigos ‘Ovo caipira ou orgânico: quais as diferenças’ e ‘Certificação de galinhas poedeiras: conheças as regras’, publicados no nosso blog, trazem mais informações a respeito. Além disso, a norma HFAC de bem-estar para galinhas poedeiras, disponível aqui, traz em detalhes todos as exigências para a certificação de ovos como cage free, caipira ou free range.

Em primeiro lugar, meus parabéns! Precisamos, então, da sua ajuda para auxiliar nos esforços e pressionar a indústria alimentícia a mudar suas práticas no que diz respeito à criação dos animais. A primeira coisa que sugerimos é que você se informe bem sobre as melhores práticas, ou até sobre as piores, para que você possa explicar para os seus amigos e familiares sobre a importância desta mudança. 

Temos muita informação aqui no nosso site. Você pode conhecer o nosso programa de certificação em detalhes e os referenciais de bem-estar animal para cada espécie aqui. No nosso blog há muitos artigos interessantes para você entender sobre os vários aspectos das criações com bem-estar de diversas espécies animais, sobre o nosso trabalho e sobre tudo o que a nossa organização se propõe a fazer. 

Temos também uma seção de materiais educativos onde você pode saber tudo sobre o bem-estar animal. Você também pode nos acompanhar pelas redes sociais: Instagram e Facebook. Você pode ainda se cadastrar na nossa newsletter clicando aqui e rolando até o rodapé da página. 

Outra ação é entrar em contato com a empresa fabricante dos alimentos que você gosta e confia e peça que eles se certifiquem com o selo Certified Humane®. Em muitos casos, existe apenas a falta de informação, pois qualquer produto com ingrediente de origem animal também pode ser certificado, desde que o ingrediente seja proveniente de uma granja também certificada. Veja outras ideias aqui.

Por fim, também recebemos doações nesta página, usando o seu cartão de crédito. Se preferir fazer um depósito bancário, escreva para info@certifiedhumanebrasil.org e nós vamos orientá-lo. Somos uma organização sem fins lucrativos qualificada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), nos termos da Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999. 

Sendo assim, se você for Pessoa Jurídica, pode deduzir as contribuições a nossa organização na sua Declaração Anual de Imposto de Renda. Entre em contato pelo email acima se precisar de mais informações a respeito.

Muito obrigado!

Você pode realizar a sua doação pelo cartão de crédito acessando aqui. Se preferir fazer um depósito bancário, escreva para info@certifiedhumanebrasil.org e nós vamos orientar você. Somos uma organização sem fins lucrativos qualificada pelo Ministério da Justiça e Segurança pública como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), nos termos da Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999. Sendo assim, se você for Pessoa Jurídica, pode deduzir as contribuições à nossa organização na sua Declaração Anual de Imposto de Renda. Entre em contato pelo email acima se precisar de mais informações a respeito.

Tenho interesse em cursos, fazer estágio ou ser inspetor de bem-estar animal

Desde 2019, iniciamos a oferta de cursos de um dia para explicar em detalhes a todos os interessados sobre as nossas exigências de bem-estar animal para as granjas ou fazendas que buscam a certificação. Interessados vinculados à estas empresas são bem-vindos, mas também qualquer pessoa interessada em bem-estar animal, seja consumidor, fornecedor de equipamentos para o agronegócio, estudantes, veterinários e colaboradores de organizações sem fins lucrativos. 

Qualquer pessoa que quiser entender melhor quais são os requisitos para a obtenção do selo Certified Humane® pode participar do curso. Com a crise da Covid-19, infelizmente, tivemos que interromper a programação de cursos, mas pretendemos voltar assim que a situação se normalizar. Por enquanto, ainda não temos a opção de cursos on-line ou ensino à distância, mas tenha certeza que basta você fazer parte do nosso cadastro de contatos para ser informado de todas as nossas iniciativas neste sentido. Para isso, basta se cadastrar para receber as novidades ao final desta página.

Nossa organização ainda é pequena, portanto, não temos estrutura para receber estagiários. De qualquer forma, ficamos lisonjeados com o seu interesse!

Para se tornar um inspetor do programa Certified Humane® você precisa ter formação em veterinária ou zootecnia, de preferência com pós-graduação. Deve, naturalmente, ter um interesse especial pelo bem-estar animal e experiência com animais de produção. Se você cumpre tais requisitos, basta enviar uma carta de motivação, juntamente com o seu currículo, para info@certifiedhumanebrasil.org. No momento em que tivermos vaga disponível, faremos contato. 

A formação de um inspetor se dá, primeiramente, com reuniões virtuais com nossa equipe, para que o candidato entenda como funciona o programa Certified Humane®, como são realizadas as inspeções e o preenchimento de toda a documentação associada às auditorias. 

A preparação do candidato nas exigências dos referenciais é feita de forma autônoma, com reforços através de reuniões virtuais com a nossa equipe técnica. O auditor em treinamento normalmente deve observar no mínimo três inspeções reais e realizar uma inspeção sob a supervisão de um auditor experiente. 

Dependendo da sua avaliação em todas estas auditorias, ele poderá então assinar o contrato conosco e realizar auditorias pelo programa Certified Humane®. O candidato não é remunerado até ser aprovado como auditor e iniciar a realizar auditorias de forma autônoma. No entanto, todos os seus gastos logísticos são cobertos por nós durante as auditorias em que observa ou é supervisionado.

Não, não oferecemos certificações de profissionais, apenas de operações que estão conformes com as exigências dos referenciais de bem-estar animal HFAC e com o Manual de Diretrizes do programa Certified Humane®. Fornecemos certificados apenas aos participantes dos nossos cursos.