O avanço da tecnologia chegou ao agronegócio e, assim como em diferentes setores, está provocando mudanças profundas na produção animal. No campo, a suinocultura detém um dos maiores exemplos da transformação que a tecnologia é capaz de fornecer: a nutrição de precisão, que torna mais assertiva a alimentação para suínos.

A nutrição de precisão usa o poder da tecnologia para prescrever dietas, fornecer nutrientes na qualidade e quantidade exatas que o organismo precisa para se manter saudável e produtivo. A alimentação para suínos é formulada conforme as cinco etapas produtivas de vida do animal. 

Por isso, eles recebem uma dieta que atendem às necessidades específicas de cada uma delas, levando em conta o seu desenvolvimento, fornecimento de nutrientes de acordo com as produções e carências nutricionais de cada animal. 

Os leitões desmamados, por exemplo, possuem requerimentos específicos devido a condição do seu trato digestório em termos de alimentação e vitaminas, em comparação com as porcas recém-paridas que estão na fase de produção de leite. 

Com essas peculiaridades, investir em tecnologias que zelem por cuidados na criação e garantam o bem-estar desses animais são fundamentais para o setor. Vai além da preservação da saúde, com isso, é possível avaliar na alimentação para suínos o recebimento de nutrientes livres de contaminação.

Essa automatização vai ao encontro do que o referencial para a criação com bem-estar dos suínos da Certified Humane traz:

  • Os alimentos precisam ser nutritivos conforme a idade e período produtivo;
  • A quantidade deve ser ofertada em qualidade para manter as necessidades nutricionais;
  • Os suínos precisam ter acesso livre à alimentação;
  • Suplementação ou restrição alimentar devem ser avaliados caso a caso;
  • Alimentação para matrizes e leitões deve ser diferenciada.

 

Realidade na América Latina

Na América Latina, a nutrição de precisão já é uma realidade em suínos e um dos exemplos principais vem dos chamados “Electronic Sow Feeders”. São alimentadores eletrônicos de matrizes suínas que ficam instalados em baias coletivas e tem como objetivo permitir que os animais permaneçam em grupos enquanto estão tendo uma atenção individualizada a sua nutrição. 

O sistema dosa exatamente o volume de concentrado que os animais precisam receber por dia e esta pode ser dividida em várias refeições ao dia. 

Todo o sistema é automatizado e guiado por grandes painéis de controle e garante que cada animal receba a alimentação individual e os cuidados de que precisa (caso o animal não apareça para comer na máquina, o sistema acusa). 

Além disso, pode ajudar a reduzir o desperdício de alimentos e otimizar a eficiência da alimentação de toda a produção. Esse é um bom referencial de aplicação na gestação coletiva das matrizes suínas

As fêmeas ficam reunidas em pequenos grupos, com espaço maior para circulação, geralmente ficando soltas no galpão de alojamento. Com a alimentação para suínos controlada por meio da automatização, esses animais são tratados de acordo com suas necessidades fisiológicas únicas, o que contribui para uma taxa de parição superior a 90%.

A transformação da atividade não se restringe apenas às grandes granjas suinocultoras. Até mesmo pequenos produtores rurais têm acesso às novas tecnologias de nutrição de precisão e, em alguns casos, chegam a substituir quase toda a mão de obra humana com o auxílio de robôs. 

Os sistemas são tão eficazes que o tempo demandado por parte do produtor pode ser usado para verificação de dados – quanto ao funcionamento do sistema eletrônico – e conferência de animais doentes no rebanho que necessitam de outros cuidados de saúde e nutricionais.

 

Avanço da ciência

Pesquisas relacionadas com a nutrição e o bem-estar animal de suínos estão em desenvolvimento no país e contribuem para melhorar a produção e o cuidado animal.

Algumas delas, contam com apoio da Certified Humane e são realizadas na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP/Pirassununga). Lá, os suínos são o foco dos estudos coordenados pelo professor Adroaldo J. Zanella, referência internacional no estudo do bem-estar animal e membro do Comitê Científico da Certified Humane. Conheça as iniciativas.

Em outra frente, uma equipe multidisciplinar liderada pelo professor de Nutrição e Produção de Suínos da Unesp/FCAV, Luciano Hauschild, realiza estudos para implantar tecnologias automatizadas para nutrição de suínos em função das condições ambientais que os animais são expostos (desafios sanitários e temperatura ambiente). 

De fato, a tecnologia e a produção animal estão cada vez mais caminhando juntas. Ponto positivo para os animais, já que existem um controle maior de todas as etapas de suas vidas, e para os produtores que podem evitar perdas e investir em outras áreas necessárias. Baixe o referencial para o bem-estar animal dos suínos e adeque sua propriedade.

Faça seu comentário