Conheça as exigências para garantir o bem-estar dos suínos

Ao contrário do que muitos imaginam, fornecer apenas alimentação adequada não é o suficiente para que os suínos vivam bem. Assim como ocorre com todo animal de produção, eles precisam estar nos ambientes adequados para sua espécie, o que resulta em menos estresse para o animal e mais produtividade para a criação.

Não importa se a criação funciona em um ambiente fechado ou ao ar livre: nos dois casos, existem padrões de qualidade e boas práticas de manejo e produção que devem ser seguidas para assegurar o bem-estar dos suínos.

Padrões que são instituídos e monitorados pelo Instituto Certified Humane Brasil, representante na América Latina e Ásia da principal organização internacional voltada para a melhoria da vida nas criações animais – a Humane Farm Animal Care (HFAC) – e responsável pelo selo de certificação do bem-estar animal Certified Humane.

Criar suínos em ambientes inadequados traz uma série de consequências negativas: quando são obrigados a viver com pouco espaço, sem ventilação correta para eliminação de poeira e gases nocivos (por ex. amônia) do meio e sob calor ou frio em demasia (ou mesmo sem abrigo ao ar livre), os suínos ficam estressados por períodos longos e sofrem alterações no metabolismo – alterações que podem até vir a prejudicar o sistema imunológico e o aspecto da carne e a qualidade do produto final.

Criar os suínos com o devido cuidado e no ambiente adequado a receber cada tipo de animal facilita o manejo e reduz os custos da operação.



Exigências específicas

Entre outras atividades fundamentais que também devem seguir regras específicas –  como a alimentação, o manejo e o próprio gerenciamento da fazenda -, o ambiente onde os suínos são criados não pode ser um local improvisado ou deficiente.

O ambiente precisa ser projetado para dar aos suínos conforto e tranquilidade durante todas as etapas da criação, de forma a atender as suas necessidades comportamentais e fisiológicas.

Isso inclui fornecer a cada tipo de suíno – os adultos, as fêmeas e os leitões – um ambiente adequado para atender às suas necessidades específicas.

As matrizes em parição na área de maternidade, por exemplo, precisam de um ambiente de parto com camas de palha, materiais para que construam ninhos e área de repouso com tamanho o bastante para se virarem livremente. Celas são terminantemente proibidas!

Já as exigências específicas de alojamento para os leitões determinam, a partir de uma tabela pré-estabelecida, o tamanho da área de repouso e a área total mínima para cada suíno em crescimento. Estas áreas, é claro, devem aumentar de tamanho à medida que os suínos crescem e ficam mais pesados.

De maneira geral, todos os suínos precisam de: ambientes livres de desconforto, estresse ou risco de ferimentos; nada de materiais tóxicos, superfícies com tinta ou desinfetantes não aprovados para este fim;  os ambientes precisam ter ventilação apropriada, temperatura confortável e uma parte do piso com cama (estas podem ser de palha, borracha por exemplo) em área suficiente para todos os animais se deitarem confortavelmente.

As regras e medidas de tamanho necessárias para atender às exigências específicas dos ambientes destinados à criação de cada fase produtiva de suíno – assim como as exigências de outras espécies de animais de produção – estão descritas nas diretrizes e normas referenciais do programa Certified Humane de bem-estar animal


Saúde do rebanho

A saúde e o bem-estar dos suínos são garantidos por um conjunto de padrões de boas práticas e cuidado que se dividem em: 

  • Ambientes adequados para atender exigências específicas da espécie;
  • Nutrição com dieta formulada por fase produtiva e água fresca e de qualidade;
  • Manejo calmo do rebanho, com o uso de ferramentas corretas;
  • Gerenciamento responsável e exigente da criação. 

Mas, é preciso um cuidado ainda mais especial.

Toda criação de suínos deve ter por escrito um Plano de Saúde dos Animais (PSA) que deve ser regularmente atualizado por um veterinário. O PSA lista os detalhes sobre vacinação, tratamentos de saúde como o controle de parasitas, causas de doenças e mortalidade, entre outros. Além disso, todas as mortes súbitas devem ser registradas e investigadas. 

O rebanho de suínos deve ter o desempenho monitorado constantemente em busca de sinais de doenças e outras potenciais perturbações nos manejos produtivos, por exemplo, uma perda de peso inesperada. É preciso ter ambientes apropriados para que os suínos doentes e feridos sejam separados do restante do rebanho e tratados imediatamente.

É necessário ainda que a granja tenha condições, se for o caso, de realizar o abate humanitário ou a eutanásia imediata nos suínos doentes ou feridos que não têm chance de recuperação – o sofrimento não deve ser postergado nestes casos – na própria granja, por um membro treinado da equipe, ou por um veterinário. Também há regras para a quarentena obrigatória de suínos trazidos de outras origens e para o descarte das carcaças dos suínos.

Assim, ao respeitar e cumprir todas as condições que criam o manejo e o ambiente ideais para evitar o estresse dos animais e que ajudam a granja a assegurar o bem-estar dos suínos, os produtos originados desta criação tornam-se aptos a receber o selo de certificação do bem-estar animal Certified Humane – e conquistar a confiança do mercado e do consumidor.

→ Saiba tudo sobre a certificação de bem-estar animal! 

 

Faça seu comentário

2021-06-08T17:36:44-03:0008/06/21|Suínos|

Comente