O Instituto Certified Humane realizou um curso de abate humanitário de bovinos de corte na JBS, uma das maiores indústrias de alimentos do mundo.

O worskhop aconteceu na unidade da empresa localizada em Goiânia (GO), onde possui atividades de abate e desossa de bovinos. “Percebemos um aumento pelo interesse na certificação de bem-estar animal por produtores de bovinos de corte e suínos no Brasil e nos países vizinhos. Portanto, estamos investindo no treinamento de auditores para a inspeção do abate humanitário, que é bem específica e repleta de detalhes”, explica o diretor da Certified Humane para a América Latina, Luiz Mazzon.

O curso reuniu cerca de 40 pessoas entre inspetores da Certified Humane do Brasil, Chile, Colômbia e Uruguai, além de um grupo de profissionais que atua na unidade da JBS em Goiânia e representantes do time corporativo da empresa, incluindo colaboradores da área de Qualidade e Bem-Estar Animal. A renomada auditora e especialista norte-americana em bem-estar animal, Erika Voogd, também participou como oradora no curso de abate humanitário. 

Teoria e prática sobre o abate 

Abate Humanitário: Teoria e prática

O primeiro dia do workshop foi voltado à parte teórica, que se baseou na revisão do “Guia de Recomendações de Manejo Animal & Guia de Auditoria: uma abordagem sistemática para o bem-estar animal”, publicado pelo North American Meat Institute (NAMI). O manual foi escrito com a colaboração de Temple Grandin, autoridade mundial em bem-estar animal, e contempla aspectos sobre o transporte e o abate humanitário dos animais. No final do dia, os participantes assistiram ao desembarque de bovinos em três caminhões – desenvolvidos de forma a garantir o transporte adequado dos animais – que chegaram das fazendas para os currais, com o objetivo de analisar os pontos de atenção que são avaliados durante as inspeções realizadas pela Certified Humane.

No segundo dia de curso, os participantes partiram para a parte prática. O grupo percorreu todo o caminho realizado desde a espera dos animais nos currais até a expedição dos produtos embalados para os locais de venda aos consumidores, passando por todas as etapas deste processo. Ao final, houve uma avaliação de acordo com o que orienta o Guia do NAMI, que contempla todas as exigências a serem seguidas pelos sistemas de abate para a conquista da certificação de bem-estar animal Certified Humane. 

Abate Humanitário: Teoria e práticaPara Mazzon, a experiência foi muito rica para as duas equipes, da Certified Humane e da JBS. “Nós, do Instituto, tivemos a oportunidade de ter uma experiência prática de auditoria de abate humanitário em uma planta real. Trouxemos auditoras da Certified Humane atuantes em quatro países diferentes para aprender dentro da maior empresa de proteína animal do mundo”, avalia. A coordenadora de Garantia de Origem da JBS, Talita Pugliese, afirma que a participação da Erika proporcionou uma oportunidade ímpar de aprendizado. “Ficamos muito contentes e gratos por podermos abrir as portas da nossa unidade produtora de Goiânia para esse encontro. Foi um tempo muito valioso de troca de conhecimento e experiências entre o nosso time e o time da Certified Humane”. 

Já Erika conta que ficou “muito entusiasmada com a expansão do programa Certified Humane da HFAC na América Latina e no mundo. O nível de competência e experiência profissional dos inspetores é ultrapassado somente pela sua paixão pelo programa. Tenho certeza que eles trabalharão duro para, junto com o esforço dos criadores e processadores, aumentar o bem-estar dos animais”, finaliza.

 

Faça seu comentário