Cachorro ou gato, galinha ou porco, vaca ou ovelha. Todos os animais sentem. Em 2012, um grupo de pesquisadores comprovou que todos os mamíferos, répteis, pássaros, anfíbios, peixes e alguns invertebrados têm sentimentos. 

Os animais são como os seres humanos: sentem dor, medo, prazer e emoções positivas. É o que demonstra a reportagem do programa Bem Estar, da TV Globo – Bem Bicho: animais têm sentimentos?

Eles não são coisas, são alguém. E merecem ser tratados com respeito. Ainda mais porque eles são capazes de nos entender. Os animais sentem o que está acontecendo ao seu redor, ou seja, são seres sencientes. “Toda a estrutura do sistema nervoso central que os humanos têm, eles também têm”, explica o veterinário e professor da USP (Universidade de São Paulo), Adroaldo José Zanella, que também faz parte do Comitê Científico do Instituto Certified Humane.

Eles ainda são tratados como se não sofressem

Infelizmente, muitos ainda não se deram conta que os animais sentem. E os tratam com sofrimento, gerando dor e estresse. Galinhas ainda são confinadas em gaiolas minúsculas. Porcas são colocadas em celas sem conseguir se virar, sendo que muitas passam a vida sem ter nenhum contato com os porquinhos – já falamos aqui que a criação em família é a melhor opção. Para as aves, a criação longe das jaulas garante uma vida com bem-estar.  

“O segredo é aprender com os animais ao ar livre e reconstruir essa realidade em uma situação aceitável para a indústria”, explica Adroaldo. Já se sabe que os animais sentem emoções e nos dão os mais diversos sinais, que merecem atenção. Se estão agitados, é porque algo não está bem. E como nós… quem gosta de ficar trancafiado ou não poder manter contato com o outro, contendo o seu comportamento natural?

Pois bem, o fato é que os animais sentem tudo. Alegria, tristeza, calor, angústia. Para melhorar a sua vida, muitas indústrias estão prometendo acabar com as gaiolas, além de exigir o cumprimento de regras de bem-estar animal pelos produtores, como o McDonald’s. Eles têm sentimentos, assim como nós. Queremos viver bem e eles também. Por que não contribuir para que tenham uma vida boa, do nascimento ao abate?

Assista a matéria completa abaixo:

 

Faça seu comentário