Nos últimos meses, escrevemos muito neste blog sobre a importância de tratar adequadamente os animais criados nas fazendas, mas você sabe o que é bem-estar animal?

Mostramos os bons exemplos de empresas que estão assumindo a responsabilidade de melhorar a qualidade de vida de bovinos, suínos e aves, além de outras espécies criadas para nos alimentar e sustentar. Destacamos o papel dos consumidores nessa mudança de paradigma, rejeitando produtos e marcas cujos negócios sejam baseados numa cadeia produtiva que maltrata os animais e os submete a condições degradantes. Mas afinal, o que é bem-estar animal? Como saber o que é preciso fazer para dar qualidade de vida para as criações?

De maneira genérica, podemos dizer que, para assegurar seu bem-estar, os animais devem ser criados livres de sofrimento físico, psicológico ou desconforto ambiental. Mais: essa garantia é necessária durante todo o ciclo de vida – desde o nascimento, passando pelas fases de desenvolvimento até os momentos finais da vida, como o transporte para os frigoríficos e o abate. É o que chamamos de um tratamento humano. Trata-se de reconhecer que os animais, assim como nós, sentem sofrimento, dor, prazer, felicidade.

Pintinhos: o que é bem-estar animalIndo mais a fundo, é preciso saber o que é bem-estar animal e reconhecer as necessidades particulares de cada espécie e adaptar as propriedades rurais para atendê-las. Dar a cada animal espaço para se movimentar como o faria num ambiente natural. Fornecer uma dieta equilibrada, com os nutrientes necessários para seu desenvolvimento e sem ingredientes que ponham em risco sua saúde e sua integridade física – como antibióticos usados para acelerar seu crescimento, e não para o tratamento de doenças. Permitir que eles tenham condições de dormir, acordar e se alimentar nos horários naturalmente mais adequados. Aprimorar o ambiente em que vivem de modo que possam se relacionar com outros indivíduos da mesma espécie sem contrariar suas pré-disposições. De fato, animais criados sob condições nas quais possam expressar o comportamento que teriam na natureza estarão mais perto de levar uma vida sem sofrimento – em outras palavras, com bem-estar.

A experiência mostra que essas boas práticas trazem ganhos para todas as partes envolvidas. Os animais, é óbvio, deixam de sofrer desnecessariamente. Os criadores também são beneficiados, uma vez que a criação humana resulta em maior eficiência nas propriedades rurais – como a diminuição de mortes por doenças  e de gastos com medicamentos e veterinários. Os consumidores, por sua vez, têm acesso a produtos de maior qualidade e a certeza de contribuir para fortalecer uma cadeia produtiva mais ética.

O papel do Instituto Certified Humane Brasil  é atestar que empresas e criadores cumpram as normas e entendam o que é bem-estar animal. Aqueles que puderem comprovar a adoção dessas regras podem usar em seus produtos o selo Certified Humane, uma forma visível de informar aos consumidores o comprometimento com a qualidade de vida dos animais, tratados com dignidade durante todo o seu ciclo de vida. Hoje, o selo certifica 166 empresas e 5.600 fazendas e granjas nos Estados Unidos, Canadá, Chile, Peru e, é claro, Brasil. Tanto faz se você é um consumidor, um criador ou o responsável por uma empresa que usa matéria-prima animal em seu processo produtivo – cada um de nós tem um papel importante em transformar e livrar o setor de alimentos de uma vida de sofrimentos.

Clique aqui e mostre que você se preocupa com os animais de produção.

Faça seu comentário